christian camilo - camiloart

Robert Doisneau foi um dos grandes fotógrafos do sec. XX. Seu trabalho de fotojornalismo inspira muitos fotógrafos que amam o estilo carregado de bom humor e momentos poéticos.

Em 2016 ganhei o livro “Paris Doisneau”, e este belo material traz uma coleção fantástica de fotografias com comentários do próprio Doisneau.

Entre todos os grandes fotojornalistas, considero Robert Doisneau o melhor e o argumento é o seguinte: fotografar a nossa casa sempre será mais desafiador. Fotografar a nossa cidade sempre será mais dificil. A razão está na idéia de que nos acostumamos com aquilo que nos cerca. Perdemos o encanto pelas esquinas, ruas, pontos turísticos. Em alguns casos criamos até mesmo certa repulsa!

Doisneau usa esse “conforto de casa” a seu favor: sua fotografia comunica confiança em um mundo receptivo. Alguns podem afirmar que “Paris”é uma cidade convidativa, mas a fotografia de Robert Doisneau está cheia de “acasos e momentos poéticos”que poderiam ser produzidos em qualquer lugar do mundo.

Abaixo listo 10 insights que este livro traz para os amantes da fotografia de rua e fotojornalismo:

1 – Use os ícones de sua cidade como mero complemento de histórias a serem contadas

A Torre Eiffel é um belo cartão postal da cidade de Paris, mas quais são as histórias, pessoas, e sonhos que estão ali de em baixo “das pernas de aço”? As pessoas e suas histórias, de baixo da torre Eiffel, deixam no ar a idéia de que o encontro de histórias na torre é mais importante do que a torre em si.

2 – Os melhores personagens da fotografia de rua são aqueles que estão confortáveis com o ambiente público.

Quem está sentado nos bancos? Quem caminhando passeando pelas calçadas? Quem olha para a cidade com olhar de poeta? Estes são seu personagens como fotógrafo. Ache essas figuras e você provavelmente fará um belo retrato cheio de significado.

3 – Conheça o padrão das ruas e você saberá a hora do show.

Ficar familiarizado com o comportamento das pessoas, seus horários, o padrão de luz, a liberdade que o lugar emana e a segurança….tudo isso dá ao fotografo conforto para enxergar melhor a cena e seu potencial. Não espere descobrir a rua da noite para o dia….mas se dedique a achar e entender quais são os melhores lugares para a fotografia.

4 – Doisneau coloca o homem numa posição poética frente a força da cidade e mostra isso de uma maneira simples

No livro Paris Doisneau vemos diversos “ensaios” onde o fotógrafo francês mostra o homem “desajustado” a força da cidade. O recado criativo é simples mas ao mesmo tempo ispirador: até mesmo fotografando o caminhar apressado dos anônimos podemos encontrar potencial fotografico e poético para contar uma história que transcenda seu tempo.

5 – Esteja com sua câmera onde a vida flui de maneira orgânica

O fotojornalista pode mostrar a “vida acontencendo”. Essa linda idéia é bem ilustrada pelas fotografias de Robert Doisneau, ao retratar as ruas e praças onde crianças brincavam livremente, onde a vizinhança compartilhava momentos….estar com a câmera no lugar onde homens, mulheres e crianças se sentem “livres”para viverem o melhor que a cidade pode oferecer.

6 – Instinto

Caminhando e fotografando, eis que ao reconhecer os personagens e enxergar o palco, podemos antever certas coincidencias e acasos. Instinto na fotografia de Doisneau é o esforço por encontrar aquele bonito momento – que a experiência na rua lhe diz que provavelmente irá ocorrer.

7 – Retratos  com ampla contextualização

Apesar desta lição se alinhar um pouco com a primeira, aqui faço o reforço estético: Ao retratar alguém avalie se não vale a pena fazer uma composição mais ampla para mostrar “qual o plano de fundo” da história e assim um pouco de seu contexto histórico – já que a arquitetura (e até mesmo cores), trazem a identidade do tempo.

8 – Lentes de 35mm a 70mm?! Versatilidade faz a diferença.

Nas fotografias de Robert Doisneau é possivel ver momentos intimos, de muita proximidade com a pessoa retratada, e até mesmo fotografias onde sua posição relativa aos personagens fotografados é um pouco distante. Gosto da idéia de que a lente não faz tanta diferença assim uma vez que você conheça muito bem o que está fotografando….contudo, a idéia de poder ter uma certa distância para não afetar a cena é algo benéfico. Pouco irão recomendar uma lente 75mm, 85mm para fotografia de rua… mas eu gosto dessa possibilidade que tenho na minha pequena lente zoom 14-42 da olympus ( que ganha a conversão de 28-84). Você pode ter intimidade, ou distânciamento….o segredo é ter a possibilidade de escolher.

9 – Esteja com sua câmera para capturar interação apaixonada entre as pessoas

Realmente, não existe outra forma de dizer: se você gosta de fotografar pessoas, fazer fotojornalismo, bem…você deveria carregar sua câmera pra cima e para baixo. Quanto menor o peso melhor, quanto menos equipamento melhor…quanto mais você expor sua câmera as pessoas, maiores as chances de momentos genuínos.

10 – Fotografia documental e o fotojornalismo

Um dos capítulos mais bonitos do livro retrata a resistência dos franceses contra as tropas alemãs. As fotografia mostram o levante do povo em 1944, período próximo a libertação de Paris. As imagens mostram histórias de união, luta e de momentos do cotidiano parisiense nesse período tão importante para a história da França. Talvez estas imagens do cotidiano sejam a grande contribuição histórica: os detalhes e o realismo do contexto podem ser visitados sem os limites do interesse político da época. Há o interesse de Doisneau….de mostrar o Homem em aparente conforto, “mesmo que desajustado”, a vida em sociedade.

 

 

Leave a Reply

FacebookTwitterGoogle
@