christian camilo - camiloart

Quando falamos de exposição em fotografia muitos iniciantes podem confundir o termo com exposição de obras de arte, que além de quadros também incluem fotos de grandes fotografos.

Contudo, o termo exposição pode também fazer referencia a tonalidade de uma imagem resultado da relação dos controles de iso, tempo de exposição e abertura  da lente na camera definido pelo fotografo. De outra maneira, podemos simplificar este entendimento citando o triangulo de exposição.

Uma exposição tecnicamente perfeita busca captar a maior quantidade de tons de cor presentes em uma cena. Cada pixel  do sensor consegue receber a informação de tonalidade e assim gerar uma fotografia bem próxima a realidade. O que chamo de  “versão fiel da realidade”.

O interessante é quem nem sempre uma fotografia com exposição perfeita em tons consegue ser mais bonita do que uma fotografia com exposição negativa (subexposta) ou exposição positiva (superexposta). No primeiro caso, a fotografia produzida vem com um aspecto mais escuro e carregado. Ocorre que alguns pixels da imagem não conseguiram captar a luz e a tonalidade  de cores da cena e por isso ficaram literalmente pretos. Uma fotografia subexposta pode aumentar o contraste e trazer mais drama para sua composição. O exemplo abaixo que produzi em minha viagem recente a Ilha Bela-SP mostra como uma exposição perfeita é somente um aspecto técnico e não artistico.

1 – exposição padrão

video exposição-8

2 – Fotografia subexposta

video exposição-6

Em uma fotografia super-exposta os pixels  de uma imagem estão estourados com tanta informação de luz que receberam. Ficaram brancos e por isso em alguns casos é impossivel recuperar a textura ou a tonalidade das fotografias que ficaram muito claras.

O recomendado é produzir na câmera aquilo que você gostou, contudo, produzir uma fotografia com a maior quantidade de tons possiveis, garante a possibilidade de criarmos na edição um aspecto de fotografia subexposta ou super-exposta.

Neste novo episódio trato esse assunto e também introduzo a utilização do histograma.

Leave a Reply

FacebookTwitterGoogle
@